Conheça a FAEMG

A FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) defende os interesses dos produtores rurais do estado.

Crédito Rural

Veja informações sobre os financiamentos destinados aos produtores rurais, cooperativas ou associações para fomentar a produção e comercialização de produtos agropecuários.

Meio Ambiente

Acesse informações técnicas sobre a gestão ambiental na atividade agropecuária em Minas Gerais.

Informações Jurídicas

Acesse os documentos disponibilizados pela Assessoria Jurídica para auxiliar os produtores rurais.

Contribuição Sindical
Leiloeiros Rurais

Veja todas as informações sobre os leiloeiros rurais do estado de Minas Gerais.

Compartilhe

Posicionamento do setor agropecuário

COP 26
ESCRITO POR VALOR ECONÔMICO
05/10/2021 . SISTEMA FAEMG, SINDICATOS, SENAR, FAEMG

A CNA promoveu hoje (5/10), o workshop “COP 26 - Agropecuária brasileira no Acordo de Paris”. No evento foi entregue ao Governo Federal o posicionamento dos produtores rurais, a ser levado à Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas – COP 26. O documento reitera o compromisso do setor com a adoção de tecnologias de baixo carbono e de boas práticas agrícolas. A COP 26 tem início no fim do mês, Glasgow, na Escócia. 

O presidente do Sistema FAEMG/SENAR/INAES, Roberto Simões, participou da solenidade, e elogiou o documento entregue: “O setor produtivo está muito bem representado pelo posicionamento. É um documento consistente e muito bem elaborado, que toca em pontos fundamentais para a agropecuária brasileira e aponta soluções, por meio dos inúmeros casos de sucesso e inovação em todo o país. Minas Gerais contribui com 19 desses ‘cases’. O Brasil terá, na COP26, uma representação muito bem baseada nos fatos, e uma presença certamente muito marcante”.

"Com o Position Paper e o trabalho da delegação brasileira, incluindo a CNA, mostramos que o setor é parte da solução, e dá ao Brasil o protagonismo para assegurar competitividade da nossa agropecuária" – Ana Paula Mello, gerente de Meio Ambiente do Sistema FAEMG.

Participaram do evento virtual, o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, João Martins, do ministro do Meio Ambiente, Joaquim Álvaro Pereira Leite, da ministra da Agricultura, Tereza Cristina Dias, e do chefe da Área de Mudança do Clima do Itamaraty, André Maciel.


POSICIONAMENTO

 

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) quer que a comunidade internacional reconheça, como ações antecipadas de mitigação, os esforços já realizados pelos produtores rurais brasileiros para a redução das emissões de gases de efeito estufa.

No documento com seu posicionamento para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 26), a entidade reitera o compromisso do setor com a adoção de tecnologias de baixo carbono e de boas práticas agrícolas, mas pede que os países emissores financiem ações sustentáveis ao redor do mundo. 

O documento, entregue ao governo brasileiro, lista outros temas prioritários para o campo nas negociações do novo acordo climático, e exalta, em linha com a postura do Ministério da Agricultura, o protagonismo do país nessa área. 

“O Brasil espera que o esforço e o investimento dos brasileiros, especialmente os dos produtores rurais, que destinam percentuais significativos de suas propriedades privadas à preservação ambiental, sejam reconhecidos pelo mundo como um ativo ambiental importante e incorporado à qualidade e características de todos os produtos agrícolas no território brasileiro”, diz o documento.

O principal apontamento da CNA é para a necessidade da definição de regras “claras e objetivas” para o mercado de carbono “aberto a todos os países do mundo, sem restrições ou favorecimentos de regiões específicas” 

A entidade destaca que “o Brasil possui um potencial de produção de créditos de carbono único no mundo”, capaz de promover parte das soluções para a redução das emissões de GEE, e defende a promoção de metodologias “monitoráveis, reportáveis e verificáveis”. 

A CNA também defende a adoção de um plano de ação para tratar da inserção da agropecuária nos termos do Acordo de Paris, o que pode permitir avanços em questões pendentes da agenda que envolve a agricultura e as mudanças climáticas.

No documento, a entidade enfatiza ainda a cobrança pelo “financiamento climático” feita por países que são considerados os maiores emissores de gases do planeta, com a integração do Fundo Verde Clima, Fundo de Adaptação e outros mecanismos oficiais da Convenção do Clima para incentivar as ações que integram a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDCs). 

A CNA afirma que, além de custear ações de adaptação e mitigação, os incentivos devem promover as regularizações fundiária e ambiental, a pesquisa de novas tecnologias na área e o monitoramento das ações. 

No posicionamento, os produtores brasileiros pedem que a produção agropecuária e a preservação florestal sejam pautadas pela ciência e pela legalidade. A CNA reforçou a atuação do país, com a inscrição no Cadastro Ambiental Rural (CAR) e a rigidez do Código Florestal. 

“O setor agropecuário brasileiro tem como pilar principal a ciência, que permitiu aumentarmos a produção de alimentos com incremento de produtividade. A tecnologia utilizada no campo hoje demonstra que a proteção ambiental e o desenvolvimento econômico são complementares e, no caso do Brasil, uma nação agrícola, esses conceitos são necessariamente unificados”.