Conheça a FAEMG

A FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) defende os interesses dos produtores rurais do estado.

Crédito Rural

Veja informações sobre os financiamentos destinados aos produtores rurais, cooperativas ou associações para fomentar a produção e comercialização de produtos agropecuários.

Meio Ambiente

Acesse informações técnicas sobre a gestão ambiental na atividade agropecuária em Minas Gerais.

Informações Jurídicas

Acesse os documentos disponibilizados pela Assessoria Jurídica para auxiliar os produtores rurais.

Contribuição Sindical
Leiloeiros Rurais

Veja todas as informações sobre os leiloeiros rurais do estado de Minas Gerais.

Compartilhe

Polpas são nova oportunidade em Coração de Jesus

ALIMENTAÇÃO
ESCRITO POR RICARDO GUIMARÃES, DE MONTES CLAROS
18/11/2021 . SENAR

Rico em diversidade de espécies, o Norte de Minas é um celeiro de oportunidades para quem investe na produção de frutas, inclusive com a comercialização de polpas. Foi pensando neste segmento que o Sistema FAEMG/SENAR/INAES, por meio da parceria com a Fundação Credinor, levou o curso de produção artesanal de polpa de fruta para a cidade de Coração de Jesus.

Foram duas turmas, compostas por produtoras rurais e cantineiras escolares. O curso repassou diversas técnicas que vão ajudar na comercialização de um produto ainda mais saudável e saboroso. “Repassamos técnicas de seleção das frutas, higienização e o que pode ser usado no preparo para o congelamento, de maneira a preservar o alimento de forma correta, mantendo seus nutrientes. O objetivo é possibilitar que possam consumir essas frutas por um maior período, além de gerar novas oportunidades de renda extra através de algo que tem na propriedade”, explicou a instrutora Camila Tatielly de Jesus.

Curso envolveu produtores rurais e cantineiras escolares

Na primeira parte do curso é feito um bate papo com os participantes, chamado de conhecimento do meu quintal, para identificar potencialidades nas próprias propriedades que podem ser exploradas para a produção das polpas. No caso da aluna Maria Raquel Pereira de Moraes Oliveira, que é cantineira escolar e tem uma pequena propriedade rural, não faltaram escolhas, uma mais saborosa que a outra.

“Tenho vários pés frutíferos. Limão, laranja, acerola, graviola, atemoia, cajá, manga e pitanga, que é a que mais gosto e tenho hábito de fazer a polpa. No curso aprendi métodos mais corretos, tanto de desinfecção das frutas e colheita como no preparo. Eu costumava bater toda a fruta e só depois coar. Mas vi que o ideal para a polpa é não triturar tudo; tem frutas que não devo usar as sementes. Vou levar os conhecimentos para o dia a dia, inclusive como oportunidade de renda extra, de comercialização da minha produção caseira”.

Planos saindo do papel

Uma das turmas do curso em Coração de Jesus foi formada por moradores da Comunidade rural Luiz Pires de Minas / Lapinha. A região tem se preparado para começar a beneficiar produtos regionais e ajudar nos projetos comunitários. Já visualizando possibilidades futuras com uma pequena agroindústria de polpas, os moradores buscaram a capacitação da mão de obra.

Na comunidade de Luiz Pires de Minas / Lapinha, moradoras querem iniciar agroindústria de polpa de frutas

“Foi muito bom o curso. A gente acha que fazer polpa de fruta é só pegar e bater no liquidificador. Mas tem método certinho. Muitos aqui da comunidade já faziam, mas o que vimos no curso é completamente diferente. Estamos em fase de planejamento da nossa pequena agroindústria, para investir na produção das polpas. Por aqui temos plantio de várias espécies e queremos reunir todos para produzir juntos. O pontapé inicial nós demos, que foi aprender”, comentou a moradora Araci Fiuza da Silva.

Ao todo, 10 pessoas participaram da capacitação. A região possui duas associações, a Comunitária e a Associação de Mulheres, que envolvem diversos projetos e ações para cerca de 50 famílias. “Buscamos o curso já pensando em organizar para produzirmos em larga escala. Todos estão muito entusiasmados. Vamos manter a turma unida para seguir investindo e, agora, que aprendemos a forma correta de fazer, vamos trazer mais pessoas para também produzirem”, finalizou a produtora.