Conheça a FAEMG

A FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) defende os interesses dos produtores rurais do estado.

Crédito Rural

Veja informações sobre os financiamentos destinados aos produtores rurais, cooperativas ou associações para fomentar a produção e comercialização de produtos agropecuários.

Meio Ambiente

Acesse informações técnicas sobre a gestão ambiental na atividade agropecuária em Minas Gerais.

Informações Jurídicas

Acesse os documentos disponibilizados pela Assessoria Jurídica para auxiliar os produtores rurais.

Contribuição Sindical
Leiloeiros Rurais

Veja todas as informações sobre os leiloeiros rurais do estado de Minas Gerais.

Compartilhe

Atividades do Sistema FAEMG marcam Expo Carangola

EXPOSIÇÃO
ESCRITO POR LÍLIAN MOURA, DE VIÇOSA
01/08/2022 . SISTEMA FAEMG, SINDICATOS, SENAR

A 71ª edição da Exposição Agropecuária e Industrial de Carangola terminou no domingo (31). O evento realizado pelo Sindicato dos Produtores Rurais da Comarca de Carangola em parceria com o Sistema FAEMG e a prefeitura local levou milhares de pessoas ao parque de exposições da cidade.

O estande do Sistema FAEMG recebeu extensa programação, como a realização de cursos e oficinas ligados a cafeicultura que aconteceram durante toda a semana, a premiação do programa Semeando, o Encontro de Produtoras Rurais e a reunião de benchmarking do grupo do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) Balde Cheio, realizados no dia 28 de julho.

Oficinas e cursos aconteceram no estande do Sistema FAEMG

“Depois do longo período de pandemia, Carangola retomou em grande estilo a sua exposição, que tem forte expressão no estado de Minas Gerais. Nós trouxemos diversas atividades para engrandecer o evento e a nossa equipe atuou para oferecer todo o suporte aos produtores. Reforçamos a parceria com o Sindicato e no próximo ano estaremos aqui novamente com força máxima”, pontuou o gerente do Sistema FAEMG em Viçosa, Marcos Reis.

O gerente ainda participou do podcast exclusivo do evento falando sobre a atuação do Sistema FAEMG no município e na região e sobre a cadeia do café. Assista:

Força feminina no agro

O Encontro de Mulheres Produtoras foi um momento de troca de informações, experiências e de confraternização. Dezenas de participantes discutiram sobre a importância os desafios e as conquistas das mulheres no agro durante palestra ministrada pela supervisora do programa ATeG Café+Forte, Míriam Grossi. Míriam apresentou números que comprovam a crescente presença das mulheres no agronegócio, especialmente em posições de liderança.

Ela lembrou que 31% das propriedades rurais no país são comandadas por mulheres, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e disse acompanhar de perto, nos grupos de ATeG que supervisiona, o papel fundamental das mulheres, principalmente na gestão. “Os resultados melhoram quando elas participam”.

Enconto de mulheres produtoras

A produtora Tatiane Rabelo, atendida pelo ATeG em Carangola, compartilhou sua experiência e confirmou as observações de Míriam, dizendo que a sua atuação à frente do negócio da família tem feito a diferença. “A nossa lavoura é uma empresa. Com essa visão abracei a causa e somei forças com o meu marido. Fomos fazer cursos, buscar melhorias e crescer. Hoje temos a nossa marca e trabalhamos com o beneficiamento de café”.

A dona Noemia de Oliveira Colpas, da comunidade de Conceição, também em Carangola, aproveitou o encontro para agradecer a força e a parceria das mulheres da sua comunidade e do ATeG Café+Forte no momento em que vive o luto pela perda recente do marido. “Fiquei muito feliz por ter vindo, porque o encontro nos fortalece. Estamos à frente da propriedade, e vamos conseguir superar esse desafio. Minha filha assumiu várias tarefas no leite e no café o técnico do ATeG tem sido nosso braço direito”.

Cecília de Souza contou que mora na zona rural há apenas dois anos, e que o aprendizado é constante por lá. Para ela o Encontro foi mais uma oportunidade de adquirir conhecimento como os apresentados pela técnica da Emater, Geralda Costa, que falou sobre agroindústria familiar e suas potencialidades.

Miriam Grossi falou sobre a importância das mulheres no agro

Prioridades

O Encontro também reforçou a importância do autocuidado em um bate-papo conduzido pela psicóloga Rebeca Nicolau.

“É preciso ter saúde para cuidar da propriedade e da família. Precisamos nos colocar em primeiro lugar e dar atenção ao corpo e a mente”, apontou Rebeca.

“Esses encontros fortalecem a união entre as mulheres do campo. Uma pode se inspirar na outra, saber o que cada uma tem feito de positivo e ver que todas tem voz e importância na propriedade e nos negócios da família”, destacou Míriam Grossi.

A diretora da Associação de Artesãos Arte Fênix, Karla de Oliveira Valente Barcelos, esteve no encontro e contou que o Sistema FAEMG a despertou para o empreendedorismo e para a liderança por meio de um curso. “Nós podemos muito e devemos nos preparar e acreditar no nosso potencial”.

Encontro de mulheres

As peças de artesanato da Associação estiveram entre os diversos prêmios sorteados entre as participantes que terminaram o evento com um café da tarde.

A mobilizadora do Sindicato, Fernanda Azevedo Monteiro, agradeceu a presença de todas e enfatizou que os encontros devem ser cada vez mais frequentes. “Juntas somos mais fortes”.

ATeG Balde Cheio

O grupo de ATeG Balde Cheio acompanhado pela técnica de campo Paula Machado encerrou as atividades e os participantes conheceram os resultados coletivos durante a reunião de benchmarking. Os números mostraram melhoria dos indicadores econômicos e, segundo a técnica, as conquistas se devem ao comprometimento dos produtores com o ATeG. Paula também destacou que os produtores aprimoraram seus conhecimentos fazendo cursos do SENAR MINAS e que o aprendizado refletiu positivamente na atividade com a melhoria do manejo e qualidade do leite.

Marcos Reis, gerente em Viçosa  e Paula Machado técnica ATeG

O pecuarista Everaldo Célio Coelho contou que a experiência com o ATeG mudou sua maneira de enxergar a atividade, e essa lição foi a mais valiosa nesses dois anos. “Aprendi a levar a atividade como um negócio, um empreendimento que precisa dar lucro. Eu não gerenciava e hoje tenho tudo anotado e conheço o meu custo de produção”.

Além dos produtores e seus familiares, acompanharam o evento:  o gerente do Sistema FAEMG em Viçosa, Marcos Reis os supervisores do ATeG Balde Cheio Paulo Henrique Lelis e Ricardo Lignani, a mobilizadora do Sindicato Fernanda Azevedo Monteiro, a mobilizadora e membro da diretoria do Sindicato dos Produtores Rurais de Divino, Viviane Cunha e o ex-estagiário que acompanhou a técnica e o grupo na cidade, Kelton Gomes.

Paula Machado, Ricardo Lignani e Fernanda Azevedo

Os números

A receita total do grupo no segundo ano de assistência técnica e gerencial ultrapassou os R$3 milhões. A margem líquida média do grupo passou de R$26.375,58 no primeiro ano para R$39.092,59 no segundo. O lucro, que ficou negativo em R$ -0,09 no primeiro ano, chegou a R$0,91 no final do ciclo. Resultado celebrado por todos e atribuído pela técnica à diminuição do custo de produção e ao aumento do valor do leite no mercado. O retorno de capital, na média grupo, subiu de 27 para 37% do primeiro para o segundo ano de ATeG.