Compartilhe

Parceria com startup do agro para acelerar comercialização

PROJETO SUPERAÇÃO BRUMADINHO
ESCRITO POR JOSIANE MOREIRA, DE SETE LAGOAS
17/03/2022 . SISTEMA FAEMG, SINDICATOS, SENAR, INAES

Sob olhares atentos às áreas produtivas, principalmente olerícolas, um grupo com representantes do Sistema FAEMG/SENAR/INAES/Sindicatos e da startup Clicampo reuniu-se, nesta quarta-feira (16), para alinhar um projeto que impulsione a comercialização de produtos de agricultores do município de Mário Campos atendidos pelo Programa SuperAção Brumadinho.

Com duração inicial de três meses, o projeto piloto consiste na implantação de um sistema direto de captação de produtos. Na prática, os produtores recebem apoio de um assistente em campo, que ficará responsável pela logística de conferência e destinação da produção para o galpão da Clicampo. Em seguida, os alimentos são destinados a restaurantes e varejistas parceiros da empresa, em Belo Horizonte. 

“Enxergamos como uma excelente oportunidade para o produtor trabalhar demandas bem definidas e direcionadas: além de não precisar se preocupar em levar os produtos pessoalmente à Ceasa ou a atravessadores, eles saberão exatamente o que produzir ou colher naquele período. Além disso, o pagamento é programado e de acordo com o preço vigente praticado no mercado”, explicou o gerente de ATeG do Sistema FAEMG, Bruno Rocha Melo.

Janaina Canaan (técnica de campo ATeG), Vanderlan Santos (Clicampo), Harrison Belico
(gerente regional do Sistema FAEMG/SENAR/INAES/Sindicatos), Victor Bernardino (Clicampo),
Genário Damasceno (produtor rural), Camila Ono (Clicampo), Bruno Rocha (gerente ATeG),
Wender Guedes (analista ATeG), Rodrigo Vargas (supervisor do SuperAção Brumadinho)

A expectativa é iniciar a fase de teste e fazer os primeiros carregamentos ainda neste mês. O fundador da Clicampo, Victor Bernardino, ficou satisfeito com o que viu nas visitas. Segundo ele, o potencial produtivo da região é valioso. “Vamos levar ainda mais qualidade e devolver transparência na transação, aproximando o campo da cidade”.

Para o analista de ATeG Wender Guedes, que esteve à frente do projeto como supervisor desde janeiro de 2020 e acompanhou de perto os principais desafios, “a ação leva ânimo extra aos produtores, que agora terão mais uma importante alternativa para escoar a produção”. 

Cerca de 25 produtores participaram da reunião de apresentação do projeto. Todos se cadastraram, como o produtor Genário Damasceno. Ele não vê a hora de o projeto iniciar e ter mais tranquilidade no âmbito das negociações. “Chegou para agregar à vida do produtor”. 

ATeG - muito além da porteira 

A Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) é direcionada à melhoria das práticas produtivas e de gestão da propriedade rural. De acordo com Bruno Rocha, o programa está passando por uma reformulação, visando a levar soluções também para os gargalos que os produtores vivem para além da porteira.

“Entendemos que, na maioria das vezes, o produtor assistido pelo ATeG mantém uma produção bem estruturada, mas o grande problema, depois dessa etapa, passa a ser o momento em que o produto está à venda. A parceria com a Clicampo, assim como outras que têm sido desenhadas, endossa essa nova visão”.