Conheça a FAEMG

A FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) defende os interesses dos produtores rurais do estado.

Crédito Rural

Veja informações sobre os financiamentos destinados aos produtores rurais, cooperativas ou associações para fomentar a produção e comercialização de produtos agropecuários.

Informações Jurídicas

Acesse os documentos disponibilizados pela Assessoria Jurídica para auxiliar os produtores rurais.

Contribuição Sindical
Leiloeiros Rurais

Veja todas as informações sobre os leiloeiros rurais do estado de Minas Gerais.

Compartilhe

ATeG guia produtores para aumento de produtividade e renda

PROJETO SUPERAÇÃO BRUMADINHO
ESCRITO POR JOSIANE MOREIRA, DE SETE LAGOAS
18/05/2022 . SISTEMA FAEMG, SINDICATOS, SENAR, FAEMG

Há dois anos, o Projeto SuperAção Brumadinho realiza visitas à propriedade da jovem produtora e filha de produtores rurais, Joyce Martins da Cunha, em Mário Campos. Casada com Ezequiel Eloizio Damasceno e mãe do Pedro Henrique, de quatro anos, a rotina é agitada e só para ao anoitecer. Além dos cuidados com a família, ela cuida do viveiro de mudas de olerícolas, organiza pedidos de clientes e faz a separação das hortaliças que são enviadas ao centro consumidor em Belo Horizonte e região metropolitana. Hoje, toda a renda vem das estufas e do fornecimento de verduras e folhas para restaurantes.

Mas a história e o dia a dia da família de agricultores não foram sempre assim. Eles já haviam tentado implantar um cultivo de hortaliças em hidroponia, mas, devido à falta de informação e segurança, não tiveram sucesso. Houve investimento em material e insumos, mas alguns acabaram sendo vendidos e outros guardados na propriedade. Além disso, a maioria dos clientes era de Brumadinho, onde muitos perderam tudo em consequência do rompimento da barragem. “Todos tiveram que parar, e nós não conseguimos voltar a fornecer para eles”, contou a produtora.  

O casal só resgatou o sonho a partir do Projeto SuperAção Brumadinho, que completa dois anos de acompanhamento à propriedade neste mês. “A técnica de campo Janaina Canaan veio com sua calma e sabedoria, ensinando e aprimorando o que eu precisava aprender. O apoio dela foi fundamental para que pudéssemos recomeçar sem medo, porque ali tinha a assistência que precisávamos. No percurso, uma foi aprendendo com a outra. Hoje, se a hidroponia está indo bem é por incentivo dela”.

Joyce está orgulhosa da qualidade que tem percebido no cultivo de rúcula, alface crespa, lisa, roxa e americana, almeirão, cebolinha, salsinha, coentro, brócolis, hortelã, manjericão, couve, agrião, espinafre, acelga, chicória, taioba e beterraba.

Retomada e expansão

Desde o diagnóstico produtivo individualizado, feito no início do programa, o casal evoluiu. O planejamento estratégico e a adequação tecnológica da cadeia produtiva os encaminharam para a execução de ações mais assertivas de gestão de negócio, com foco na sustentabilidade socioeconômica da família.

Com as visitas regulares da ATeG e a oportunidade de obter informação técnica e qualificada, o planejamento foi em torno da retomada da produção de rúcula em sistema hidropônico. Em março de 2021, a capacidade das bancadas era de uma produção em torno de 5.200 plantas, com uma colheita diária de cinco dúzias de rúcula. De acordo com a técnica, o conhecimento prático adquirido pelos produtores e o reconhecimento da qualidade do produto, por parte do consumidor, motivaram os agricultores a ampliar a produção. Em seis meses, a nova estufa já estava em processo de finalização, e a capacidade saltou para, aproximadamente, 12.000 plantas, aumentando a aptidão produtiva em 130%.

“Com o sistema de produção hidropônico, a família, que empenha 100% da mão de obra familiar no setor agrícola, passou a obter receitas da comercialização de hidropônicos que representam 20% da renda familiar, mantendo um fluxo de caixa positivo, de aproximadamente 65% em relação às despesas. Este é mais um caso de sucesso em que notamos a contribuição da ATeG na evolução do empreendimento rural”, destacou a técnica.

“Eu tenho uma paixão pela terra. Não consigo me ver fazendo outra coisa. Mas, na agricultura, o importante é não desanimar. No final do trabalho, a satisfação de ver uma plantação bem cuidada, uma colheita farta e os clientes satisfeitos não tem preço”, concluiu a produtora.