Conheça o INAES

O INAES (Instituto Antonio Ernesto de Salvo) é uma associação civil sem fins lucrativos, dedicada ao desenvolvimento, pesquisa e inovação de sistemas produtivos. Atua em parceria com instituições públicas e privadas para fomentar a evolução das cadeias do agronegócio.

Projetos Estudos e Publicações
Editais

Pesquise todos os editais emitidos pelo SISTEMA FAEMG (FAEMG, SENAR, INAES e Sindicatos).

Compartilhe

Reunião emergencial sobre as chuvas

CLIMA
ESCRITO POR ASCOM SISTEMA FAEMG
06/01/2022 . SISTEMA FAEMG, SINDICATOS, SENAR, INAES, FAEMG

O Sistema FAEMG/SENAR/INAES promoveu hoje (6/1) reunião emergencial com os Sindicatos de Produtores Rurais de municípios do Norte de Minas e dos Vales do Jequitinhonha e do Mucuri mais afetados pelas chuvas excessivas nas últimas semanas. As principais dificuldades locais foram apresentadas pelas lideranças e o grupo debateu ações imediatas, e em médio e longo prazo, para auxiliar os produtores.
 

Participaram do encontro virtual, o presidente do Sistema FAEMG, Antônio de Salvo, o superintendente do SENAR Minas, Christiano Nascif, o assessor especial Antônio Carlos Álvares, os gerentes regionais do Sistema, Dirceu Martins e Luiz Rodolfo Antunes, e a agente de Desenvolvimento Local, Dayane Fonseca. Presentes também os presidentes dos Sindicatos de Pedra Azul, Novo Cruzeiro, Salinas, Coronel Murta, Águas Formosas, Medina, Diamantina, Felisburgo, Bom Despacho, Jacinto, Montes Claros, Serro, Machacalis, Bertópolis, Santa Helena e Umburatiba.

 

Desde o início do período chuvoso, o Sistema FAEMG tem feito o monitoramento contínuo da situação nos municípios. Por meio de um formulário eletrônico, os técnicos de campo do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) informam, em tempo real, a situação dos produtores atendidos. 

Segundo a agente de Desenvolvimento Local do Sistema FAEMG, Dayane Fonseca, o levantamento aponta que o principal problema, no momento, é a interrupção de acesso, com vias bloqueadas e queda de pontes, impactando, sobretudo, o transporte da produção perecível. Em muitas regiões, a captação de leite não tem sido possível, e a produção diária tem sido totalmente descartada. 

Se, por um lado, a bovinocultura de leite é a cadeia com maior impacto financeiro em cifras,  percentualmente as maiores perdas podem ter sido na olericultura e na avicultura, cadeias em que muitos produtores tiveram perda total da produção. 

Outra preocupação dos produtores é a alimentação de animais nos próximos meses, já que pastos e lavouras de milho para silagem foram bastante comprometidos.

 

 

Atuação para minimizar perdas


O presidente do Sistema FAEMG, Antônio de Salvo explicou que serão trilhadas duas linhas de atuação. A primeira delas, emergencial, voltada ao reestabelecimento de vias de acessos e distribuição de alimentos e donativos a pequenos agricultores que perderam tudo. Juntamente  a isso, o mapeamento das perdas por município balizará uma ação política, para buscar instrumentos de crédito e renegociação de pagamentos para que os produtores possam se reorganizar frente às perdas. 

O Sistema FAEMG e os Sindicatos Rurais querem fazer uma força tarefa de parceiros nos municípios afetados. A ideia é envolver as prefeituras, a Defesa Civil e a Emater-MG para a realização de laudos técnicos, com dados e registros fotográficos, que documentem as perdas produtivas e embasem um pedido coletivo de ações mais consistentes junto ao poder público. Sabemos que o governo tende a olhar para as cidades e esquecer o campo. Queremos unificar forças para defender o produtor rural mineiro neste momento tão delicado”, explica o presidente Antônio de Salvo.

Machacalis, um mês depois...

Muitos Sindicatos estão fazendo campanhas de arrecadação de donativos para a população atingida, com o apoio e a parceria do Sistema FAEMG. Em Machacalis, a distribuição de água e donativos teve início ainda em meados de dezembro. (Leia mais aqui)
 

Muitas pontes caíram e há gente isolada ainda hoje, um mês depois. Precisamos que o poder público ofereça ações mais consistentes e tenha para a população rural o mesmo olhar de urgência que recebem os centros urbanos”, lembra a presidente do Sindicato Rural, Klécila Portes.