Compartilhe

Minas Gerais sedia reunião da cafeicultura

PROGRAMA CADEIAS PRODUTIVAS
ESCRITO POR JANAINA ROCHIDO, DE BELO HORIZONTE
07/12/2022 . SISTEMA FAEMG, SENAR

Coordenadores de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) do Senar Nacional, analistas e especialistas da área de cafeicultura do Sistema Faemg Senar reuniram-se em Belo Horizonte, nos dias 6 e 7 de dezembro, para discutir ações do Programa Cadeias Produtivas.

A relevância e variedade da cafeicultura mineira no cenário nacional, junto ao trabalho desenvolvido pelo Sistema Faemg Senar para a cadeia, motivaram o Senar a fazer a reunião em Minas Gerais. O gerente de ATeG do Sistema, Bruno Rocha de Melo, acredita que as soluções que o programa busca vão impactar diretamente no resultado do negócio rural. “Queremos conciliar essas ações em cima de gargalos que identificamos em áreas diversas para oferecer soluções ao produtor, trazer uma gama maior de serviços que possam dar ao cafeicultor mais sustentabilidade econômica no negócio dele”.

O superintendente do Senar Minas, Christiano Nascif, acrescentou a parceria com os Sindicatos Rurais no desenvolvimento de ações e a preocupação com a sustentabilidade ambiental no segmento. “Entendemos que somente a assistência técnica e gerencial não resolve os problemas do cafeicultor. Termos que atuar antes, dentro e após a porteira para que possamos tornar a cafeicultura sustentável para os pequenos e médios produtores”, disse.

Também participaram da reunião as gerências de Assistência Técnica e Gerencial, de Agronegócio, de Sustentabilidade e de Formação Profissional Rural do Sistema Faemg Senar.

Plano de trabalho

O coordenador de programas da Diretoria de Assistência Técnica e Gerencial do Senar Nacional, Alexandre Lopes Martins, explica que foram dois dias de trabalho intenso. No primeiro, o consultor Rodrigo Ticle apresentou informações sobre o cenário nacional da cafeicultura e, junto com o diretor-adjunto da Diretoria de Assistência Técnica e Gerencial do Senar Nacional, Eduardo Gomes de Oliveira, foi feita uma discussão a respeito. No segundo dia, o grupo discutiu os gargalos do setor e levantou possíveis soluções para construir um plano de ação.

A partir da esquerda: Alexandre Martins, Rodrigo Ticle e Eduardo de Oliveira

Martins acrescenta que o Programa Cadeias Produtivas extrapola a atuação do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG). “Nosso objetivo é expandir a lógica da assistência técnica e da formação profissional rural para ‘fora da porteira’. Olhar para a cadeia desde a produção até a gôndola do mercado e ampliar os esforços produtivos dos produtores. O trabalho deste ano dará subsídios para ações piloto em 2023, que vão apontar se as soluções estão maduras para serem adotadas nacionalmente”.

O superintendente do Senar Minas, Christiano Nascif (ao centro)

Próximos passos

O Senar Nacional está tralhando com planos de ação para seis segmentos dentro do Programa Cadeias Produtivas - fruticultura, apicultura, bovinocultura de leite, cacauicultura, cafeicultura e mandiocultura, com ações para serem implementadas em 2023.

O programa criado pela CNA visa identificar os problemas dessas cadeias desde o setor de insumos até a comercialização na ponta, e desenvolver estratégias e soluções no curto prazo que proporcionem mais renda para os produtores rurais. Esse ano, analistas da Gerência de Assistência Técnica e Gerencial do Sistema Faemg Senar também estiveram em Brasília para reuniões sobre as cadeias da apicultura e bovinocultura de leite.