Compartilhe

Sustentabilidade e educação deram o tom das reuniões de hoje

SISTEMA FAEMG SENAR NA COP28
ESCRITO POR IZAMARA ARCANJO, DE BELO HORIZONTE
08/12/2023 . SISTEMA FAEMG, SINDICATOS, SENAR, FAEMG

 Semana chega ao fim na COP28, em Dubai, com dia temático sobre educação e reuniões para fomentar o fortalecimento 

da produção agropecuária sustentável

O Sistema Faemg Senar, representando os produtores rurais mineiros, segue presente na COP28, em Dubai, onde, na manhã desta sexta-feira (8/12), dia temático dedicado à Educação, o presidente Antônio Pitangui de Salvo, participou de uma reunião estratégica com representantes do Ministério do Meio Ambiente e de um fundo investidor internacional. Os secretários de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais, Thales Fernandes, e o de São Paulo, Guilherme Piai Silva Filizzola, também participara da reunião.

O objetivo do Sistema é ajudar a fortalecer a produção agropecuária sustentável em Minas, a partir da criação de linha de crédito destinada a apoiar os produtores com excedente de reserva legal. “É o compromisso com a sustentabilidade, ao mesmo tempo em que fomenta a geração de emprego e renda para os produtores rurais,” reforça Antônio de Salvo.

A gerente de Sustentabilidade do Sistema, Mariana Ramos, também está da COP28 e teve a oportunidade representar o Sistema, no dia dedicado à educação. Ao lado da diretora de ESG da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP), Fabiana Campos Romanelli, Mariana destacou a relevância da educação para potencializar adaptação, mitigação e busca de soluções para garantir a preservação dos recursos naturais. “Por meio do Sistema S nós temos a grande oportunidade de levar aos produtores rurais de Minas as metodologias e práticas de como produzir com sustentabilidade. Nós sabemos que os produtores já são os grandes guardiões dos recursos naturais, sendo, inclusive, os grandes produtores de água, mas nós precisamos, cada vez mais, aproximar essas práticas, como o plantio direto, a integração lavoura-pecuária-floresta, dentre outras tecnologias de agropecuária de baixo carbono, também dos pequenos e médios produtores. Temos convicção hoje que é por meio da educação que nós vamos mostrar para o mundo que nossa agricultura é, sim, uma agricultura sustentável”, garantiu a gerente.

 

Ao lado da diretora de ESG da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP), Fabiana Campos Romanelli, Mariana Ramos reforça a importância da Educação para garantia de uma agropecuária sustentável.

 

Amanhã é o Dia do Agro

Neste domingo (10/12), o dia será inteiramente dedicado ao agro na COP 28. As discussões temáticas serão realizadas a partir das 9h (horário de Dubai) será no pavilhão do setor produtivo brasileiro e reunirá especialistas nacionais e estrangeiros, além de representantes do governo, embaixadas, organismos internacionais, empresas, entidades do setor e produtores rurais para discutir temas voltados para a produção sustentável no Brasil e no mundo.

A partir das 16h, o presidente do Sistema Faemg Senar, Antônio de Salvo, conduzirá o painel 4, que vai tratar da “Transparência do agro”, com a mediação do sócio-diretor da consultoria Agroicone, Rodrigo Lima.  Antônio de Salvo, fará uma palestra sobre pecuária sustentável.

 

Confira toda a programação deste sábado (09/12) na COP28:

 

Painel 1 - O primeiro debate do dia, às 9h, terá como tema “O desafio de conciliar segurança alimentar e energética”. O vice-presidente de Relações Internacionais da CNA e presidente da Farsul, Gedeão Pereira, será o moderador.

Adriano Santhiago, coordenador-geral de Mudanças Climáticas e Agropecuária Conservacionista do Ministério da Agricultura, falará sobre políticas públicas de promoção de segurança alimentar e energética para o Agro e as NDCs brasileiras.

Já o diretor executivo da National Farmers Federation (Austrália), Tony Mahar, além de representantes dos Estados Unidos e dos Emirados Árabes Unidos, discutem sobre visão internacional e ações efetivas quanto ao desafio de conciliar segurança alimentar e energética com segurança climática.

 

Painel 2 - O painel, a partir das 11h, abordará o “Mercado de carbono e perspectivas para o agro”. O embaixador Roberto Azevedo, ex-diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC) e presidente da Iniciativa Internacional para o Agronegócio Brasileiro, apresentará sua visão desse mercado e suas implicações para o setor.

O professor Carlos Eduardo Cerri, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), e o CEO da Bayer Crop Science, Maurício Rodrigues, fazem apresentações sobre como ciência e co-criação podem alavancar o papel do agro de regenerar e descarbonizar.

A vice-presidente de Relações Institucionais e Sustentabilidade da Syngenta, Grazielle Parenti, faz uma exposição sobre o tópico “Oportunidades e Desafios na construção de métricas para o Mercado de Carbono”. E o coordenador do Observatório de Bioeconomia da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Daniel Vargas, fala sobre estruturação e viabilidade do mercado de carbono para o agro.

 

Painel 3 - Às 14h, será abordado o tema “Transição Energética - Potencialidades do Agro Brasileiro” com a moderação do consultor de meio ambiente e sustentabilidade da CNA, Rodrigo Justus de Brito.

A presidente executiva da Abiogás, Renata Isfer, fala sobre biogás e biometano como instrumentos de descarbonização. Também neste painel, o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Antônio Pitangui de Salvo, e o presidente do Fórum Nacional Sucroenergético (FNS) e da Associação da Indústria Sucroenergética de Minas Gerais (Siamig), Mário Campos, apresentam o programa Movido pelo Agro, uma iniciativa para estimular o uso de biocombustíveis.

A vice-presidente de estratégia e sustentabilidade da Raizen, Paula Kovarski, fala sobre as oportunidades da agroindústria brasileira para alavancar soluções para descarbonizar a economia. Ainda no painel, o chefe de Relações Internacionais da Embrapa, Marcelo Morandi, traz a visão da estatal.

Por fim, a secretária de Meio Ambiente e Infraestrutura do Rio Grande do Sul, Marjorie Kauffmann, e o vice-presidente da Farsul, Domingos Lopes, trazem o tema “Oportunidades de transição energética dentro das propriedades rurais”.

 

Painel 4 – Transparência do agro será o tema das 16h, com a mediação do sócio-diretor do Agroícone, Rodrigo Lima. O presidente da Faemg, Antônio Pitangui de Salvo, fará uma explanação sobre pecuária sustentável.

As tecnologias como um elemento central para soluções climáticas eficientes serão tratadas pelo presidente da Croplife. Eduardo Leão. O diretor de estratégia global da Solinftec, Leonardo Carvalho, será outro palestrante do painel sobre como a transparência e a tecnologia impulsionam o agro sustentável.

O coordenador de Sustentabilidade da CNA, Nelson Ananias Filho (CNA), e a gerente de sustentabilidade do Sistema Faemg/Senar, Mariana Ramos, apresentam o PRAVALER, programa de regularização ambiental como instrumento de integridade ambiental.

Por sua vez, o coordenador-geral de Mudanças Climáticas e Agropecuária Conservacionista do Ministério da Agricultura, Adriano Santhiago de Oliveira, vai mostrar ações e políticas governamentais para a garantia da transparência das metas de mitigação e adaptação do agro brasileiro.

 

Painel 5 - O último painel do Dia do Agro terá o tema “Geopolítica da Segurança Alimentar”. O presidente da Comissão Nacional de Meio Ambiente da CNA, Muni Lourenço, será o moderador. O cientista Rattan Lal, Prêmio Nobel da Paz e Prêmio Mundial da Alimentação 2020, vai falar sobre o papel do Brasil como provedor da segurança alimentar global, desenvolvimento tecnológico e exemplo de desenvolvimento sustentável.

Roberto Azevedo expõe a questão das ações ambientais como barreiras ao comércio internacional.