Dias
0 0 0
Horas
0 0
Minutos
0 0
Segundos
0 0
Compartilhe


ATeG gera economia e melhora qualidade em plantação de morango

FRUTICULTURA
ESCRITO POR FLÁVIO CHRISTO, DE JUIZ DE FORA
02/06/2023 . SISTEMA FAEMG, SINDICATOS, SENAR, INAES, FAEMG

Uma família da cidade de Alfredo Vasconcelos, na região de Barbacena, tem melhorado a qualidade de sua produção após o início do atendimento do grupo de Assistência Técnica e Gerencial para fruticultura, ATeG Morango. Em oito meses de atendimento, foram implementadas melhorias na irrigação e na nutrição das plantas.

A irrigação é feita por meio de gotejamento e, antes do atendimento pelo técnico de campo Humberto Baumgarten, era feita com uma caixa d’água de 1.000 litros. Atualmente, a irrigação foi por uma caixa de 5 mil litros. Além disso, durante o dia, a irrigação era acionada em dois turnos. Durante a manhã, com uma solução nutritiva e, à tarde, apenas com água e, nas duas ocasiões, é usada a solução nutritiva.

“Instalamos um dreno, que retorna o excesso de líquido para a caixa, e isso tem evitado muitos vazamentos e danos ao circuito de irrigação, o que levava a perdas de nutrientes e prejuízos com a manutenção frequente do sistema de irrigação”, contou Humberto.


 

Humberto Baumgarten é o técnico de campo do ATeG que atende a propriedade do Sr. Francisco

O dono da propriedade, Francisco Gomes, produz morango há 20 anos. Pouco antes de entrar para a Assistência Técnica e Gerencial, ele implantou o plantio suspenso, o que melhorou o manejo, mas ainda sofria muito com algumas pragas, como o ácaro-rajado. Com a melhoria na nutrição da planta e implantação de agentes biológicos, praticamente erradicou o problema da sua plantação.

Sr Francisco Gomes mostra os morangos produzidos em sua propriedade

“Desde o início do ATeG, mudou muito meu produto, melhorou a nutrição, a adubação e a qualidade. Aqui, produzimos cerca de 20 mil quilos de morango por ano. Antes, não tínhamos nenhum tipo de assessoria, com o Humberto, as coisas ficaram mais tranquilas”, explicou Francisco.

Humberto também conseguiu gerar economia para a família. A adubação antes era com produtos comerciais prontos, que tinham um custo médio de R$ 22,00 para cada 1.000 litros de fertilização e, atualmente, o valor chegou a R$ 10,70, uma redução de 51%.

“Inserimos na propriedade a adubação com nitrato de cálcio, nitrato de potássio, NPK Map e sulfato de magnésio. Ensinei como medir a quantidade necessária de cada produto e apenas com essa otimização, calculamos uma economia anual de cerca de 18 mil reais”, ressaltou Humberto.

Sucesso na plantação e na sucessão familiar

As mudas plantadas na propriedade do Francisco são da espécie de morango Monterrey, uma variedade com alto teor de açúcar e que atinge tamanhos que surpreendem aos olhos. São duas estufas com cerca de 20 mil pés, produzindo quase um quilo cada.

Morangos da variedade Monterey

Foi plantando morangos que o Francisco sustentou a família e criou os filhos. Hoje, com 57 anos, viu mudar muita coisa no trabalho rural. Novas tecnologias auxiliam o plantio e a colheita. As preocupações com qualidade de vida de quem trabalha na lida também são outras.

“Com o tempo as coisas ficaram mais tranquilas. Melhorou a mão de obra e o controle de doenças, o manejo e o jeito de trabalhar. Com o plantio suspenso, por exemplo, o peso do corpo, para colhe a fruta, não fica todo nas pernas. Até para conseguir trabalhadores para a colheita é mais fácil. Quem deseja trabalhar no campo, venha, pois é bom demais”, conta Francisco.

Apesar das melhorias na propriedade e da qualidade das plantas, o maior orgulho do Francisco é ter ao lado, na lida diária, o filho Gustavo Henrique, de 23 anos. Após terminar os estudos, Gustavo se arriscou na vida urbana. Arrumou um emprego em Barbacena e não pensava em voltar. Porém, a realidade da vida na cidade o fez ver o valor do que tinha no campo.

Gustavo, filho do Sr Francisco, teve uma experiência na zona urbana, mas optou pela vida no campo

“Muitas vezes as pessoas vão cansando da lavoura, mas o campo é um ótimo lugar para trabalhar. A tecnologia hoje já ajuda muito. Muitas vezes, tem-se uma ideia muito pior do que é de fato. Quando vemos a realidade da vida profissional, de trabalhar para outras pessoas, com carteira assinada, vemos que isso aqui (o campo) dá muito mais qualidade de vida. É muito mais tranquilo. Fora o silêncio, a tranquilidade e a paz que o campo te dá para trabalhar”, contou Gustavo.

Além do plantio, Gustavo auxilia na implantação de tecnologias alternativas, que melhoram o manejo das plantas, como na compra de um dispositivo que ele encontrou na internet, que emite uma frequência sonora e diminuiu drasticamente a perda de frutas para pássaros. Ele explica que não pretende mais sair da vida rural.

“Eu voltei para as minhas origens, trabalhei fora, vi o mundo, não tive boas experiências e voltei para me acertar no campo. É muito prazeroso chegar na lavoura e ver a planta com vigor, é a melhor coisa que tem, é igual um filho para você”, diz ele, sorrindo.

O técnico com o Sr.Francisco e Gustavo

O Sistema Faemg Senar oferta o Programa Sucessão no Campo. O objetivo é incentivar a sucessão familiar, a preservação e a continuidade dos negócios das famílias no campo. O produtor que tiver interesse em participar, deve procurar o sindicato rural da sua cidade. Para saber mais, acesse o site e tenha informações sobre o programa.