Conheça a FAEMG

A FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) defende os interesses dos produtores rurais do estado.

Crédito Rural

Veja informações sobre os financiamentos destinados aos produtores rurais, cooperativas ou associações para fomentar a produção e comercialização de produtos agropecuários.

Informações Jurídicas

Acesse os documentos disponibilizados pela Assessoria Jurídica para auxiliar os produtores rurais.

Contribuição Sindical
Leiloeiros Rurais

Veja todas as informações sobre os leiloeiros rurais do estado de Minas Gerais.

Dias
0 0 0
Horas
0 0
Minutos
0 0
Segundos
0 0
Compartilhe


Valor médio de referência do leite sobe abaixo da expectativa

CONSELEITE-MG
ESCRITO POR NATHALIE GUIMARÃES, DE BELO HORIZONTE
23/02/2024 . SISTEMA FAEMG, FAEMG

O novo valor médio de referência do leite foi divulgado nesta sexta-feira (23/02) pelo Conselho Paritário entre Produtores de Leite e Indústrias de Laticínios (Conseleite-MG). A projeção é que o valor médio de referência para o litro do leite entregue em fevereiro a ser pago em março seja de R$ 2,24. O indicador é 2% superior ao previsto para pagamento em fevereiro de 2024 (R$ 2,20), mas ainda está abaixo do esperado. O cenário das importações também foi tema da reunião.

O presidente da Comissão Técnica da Pecuária de Leite do Sistema Faemg Senar e integrante da diretoria do Conseleite-MG, Jônadan Ma, representou a Faemg na reunião e analisou que, apesar de o valor de referência do leite estar condizente com a situação do mercado das indústrias que compõem o Conseleite-MG, considerando sua capacidade de pagamento, ainda não condiz com a capacidade de comercialização. “Está tendo uma captação menor de leite, então esperamos que o produtor seja mais bem remunerado daqui para a frente”, completou.

Importação ainda preocupa

O cenário das importações ainda é um grande desafio para o setor. Mesmo com a publicação do Decreto Nº 11.732, de 18 de outubro de 2023, ainda não houve redução das importações em fevereiro. 

“As normativas e a portaria de regulamentação não estão prontas ainda. Ou seja, ainda não está efetivada a fiscalização e a devida implementação dessa portaria. Talvez seja isso que ainda esteja permitindo as importações em um nível bastante alto”, alertou Ma.

Segundo o presidente da CT de Pecuária de Leite do Sistema Faemg Senar, o leite em pó da Argentina e do Uruguai é 30% mais barato do que o comercializado no Brasil. Também preocupa a falta de clareza sobre o percentual de importação que realmente compete aos laticínios e o que se refere a outros setores que utilizam o leite em pó principalmente, como supermercados e indústrias de sorvete, por exemplo.

“Se o quadro continuar grave com altas importações e o preço ao produtor continuar baixo, vamos ver o aniquilamento do setor produtivo. O produtor de leite não vai suportar mais a sua contínua queda ou a não recuperação dos preços de leite. A médio prazo, isso pode causar um desabastecimento nacional, fazendo com o que o Brasil dependa ainda mais da importação. Precisamos que o governo nos ajude a barrar essa importação pois não há como competir com o leite importado do Mercosul”, destacou.