Reunião faz balanço de ações e discute desafios do AgroNordeste frente à pandemia

O SENAR Administração Central, gestores de diversos SENAR estaduais e parceiros na realização do Programa AgroNordeste reuniram-se por videoconferência nesta semana para nivelar o progresso nos estados e discutir a retomada das atividades após a paralisação devido à pandemia do coronavírus.

A iniciativa é fruto da parceria entre CNA/SENAR, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (ANATER) e está aumentando o quadro de técnicos de campo, para alcançar 25 mil produtores até o final do ano. O AgroNordeste visa, entre outros objetivos, aumentar a cobertura de assistência técnica no semiárido e difundir tecnologias de alimentação animal e reserva de água.

A partir da esquerda: Luiz Ronilson Paiva, Pedro Neto (na tela) e Christiano Nascif

A reunião, conduzida pelo diretor geral do SENAR, Daniel Carrara, e pela diretora de Assistência Técnica e Gerencial do SENAR, Andréa Barbosa, fez um balanço das ações do projeto (estratégias para atingimento das metas, capacitação EAD de técnicos de campo e supervisores, papel do Agente de Desenvolvimento Local e demais questões pertinentes ao tema). Os principais desafios apontados pelos Estados participantes da videoconferência tratavam da paralisação da formação de turmas devido à pandemia e ao nível de formação dos técnicos, que nem sempre atende o que o programa exige.

Atuação mineira

Por Minas Gerais, onde  temos 91 municípios pertencendo ao Bioma Semiárido, 28 já  são atendidos pela iniciativa,com proposta de atender mais de 60 até o final do ano,  participaram  o superintendente do SENAR Minas, Christiano Nascif, o coordenador de Formação Profissional Rural Luiz Ronilson Paiva e o responsável pelo programa no Estado, o analista técnico Ricardo Tuller.

Durante o período sem atividades presenciais em Minas Gerais, o programa seguiu com a capacitação online de técnicos de campo, mas a mobilização das turmas ficou prejudicada, como contou Luiz Ronilson Paiva. No entanto, as expectativas ainda são as melhores: “já temos 30 grupos de produtores em andamento e vamos fechar em 60 até o início de agosto, totalizando sete cadeias produtivas. Esperamos alcançar resultados bem significativos com a expansão para grupos de ovinos e caprinos e da cadeia produtiva da mandioca”, explicou o coordenador.

O programa

O encontro também teve a participação do presidente da ANATER, Ademar Silva Junior, do secretário de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação Fernando Camargo, e ainda apresentou o secretário-adjunto de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação do MAPA, Pedro Neto, como novo responsável pelo programa no ministério.

O AgroNordeste é voltado para pequenos e médios produtores do semiárido que já comercializam parte da produção, mas ainda encontram dificuldades para expandir o negócio e gerar mais renda e emprego na região onde vivem. Ele foi elaborado a partir do estudo das cadeias produtivas que têm relevância socioeconômica e potencial de crescimento na região, identificando os entraves para o seu desenvolvimento e as soluções possíveis.