São Paulo terá instituto do queijo artesanal brasileiro

Já faz alguns anos que o queijo artesanal brasileiro virou assunto e notícia. O movimento levou mais pessoas a se interessar tanto pelo produto quanto pela sua produção. Personagem importante nessa estrada foi o mestre queijeiro Fernando Oliveira, que desde 2010 comanda a loja A Queijaria e organiza frequentes viagens de imersão para regiões produtoras como a Serra da Canastra e Serro.

Hoje (18), Oliveira dá mais um passo para a evolução deste mercado com o lançamento do Instituto Zé Mário, este que será o primeiro focado no queijo artesanal brasileiro. Oliveira transformou o andar de cima da sua loja na Vila Madalena em uma escola – de um lado uma sala de aula, do outro uma cozinha prática onde serão realizados os cursos do novo instituto, que leva o nome do queijeiro da Canastra José Mário. Zé, como ficou conhecido, foi o precursor, ou melhor, o queijeiro que permaneceu fazendo o queijo curado mesmo quando ninguém dava muita bola para ele em sua região.

O intuito da nova empreitada é fomentar a cultura do queijo artesanal por meio de aulas práticas e teóricas tanto para iniciantes como para iniciados. A grade contará com cursos de curta (1 dia), média (1 semana) e longa durações (1 semestre). O primeiro lançado sobre queijos de fermentação natural já está com as vagas esgotadas. Mas já estão abertas as inscrições para o curso “Fazendo e maturando queijo em casa” (R$ 1.500) e um sobre pão de queijo com Heloisa Bacellar, chef do Lá da Venda, no dia 12/5 (R$ 250). E este é só o começo. No próximo ano, Fernando pretende inaugurar a sede rural do instituto em Morungaba, onde ele mantém as suas cavernas de maturação dos queijos que vende na sua loja.

Já no sábado, 21 de abril, haverá nova edição da feira A Queijaria na Rua, que comemora o quinto aniversário da loja. Desta vez, o evento vai reunir mais de 30 produtores de todo o Brasil nos arredores da loja, além de chefs preparando comes com os queijos e barracas de bebes com cerveja e gim artesanal.