até
terça-feira, 16 de julho de 2019
Tecnologias para aumentar a produção de trigo no Cerrado
Biotrigo
A área disponível para produzir trigo no Cerrado é vasta e a demanda pela indústria também. Em Minas Gerais nesta safra foram semeados cerca de 83,5 mil ha. Segundo a Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SEAPA-MG), a área cresceu 27 vezes no período entre 1997 e 2017 no Estado, havendo projeção para a semeadura de 232 mil ha de trigo em 2027. A produção nestas duas décadas passou de 14 mil toneladas para 225 mil toneladas. 
 
Este mercado promissor foi tema do 3º Encontro de Trigo, na última sexta-feira (12), na fazenda Irmãos Bola, em São Basílio, Uberaba (MG). O evento foi realizado pela Biotrigo Genética, Coopadap - Cooperativa Agropecuária do Alto Paranaíba e pela revendedora Sólida. Participaram cerca de 100 pessoas, entre produtores de trigo da região, agrônomos, recomendantes e moinhos. A Biotrigo apresentou a cultivar TBIO Aton, com elevado potencial produtivo, excelente qualidade de panificação, maior resistência à Brusone na espiga e com significativo diferencial nas folhas quando comparado às testemunhas locais. Também foram temas do Encontro, os avanços das pesquisas, tecnologias adaptadas para o Cerrado e como a cadeia tritícola enfrentou os problemas causados pelo complexo de doenças instalado nas lavouras de trigo nesta safra. 
 
Vantagens do trigo
 
O engenheiro agrônomo e supervisor comercial da Biotrigo para o Paraná, São Paulo e Cerrado, Deodato Matias Junior, destacou as vantagens do plantio do trigo no sistema agrícola da região. “O trigo produz uma ótima cobertura ao solo, o que reduz claramente os gastos em herbicidas para controle de ervas daninhas para a cultura de verão, além de conservar a umidade do solo em períodos de seca e diminuir a população de algumas espécies de nematóide. Todo esse conjunto de benefícios repercute diretamente na produtividade e rentabilidade do sistema, especialmente gerando benefícios na produção da soja. Em anos com chuvas dentro da média histórica, a adoção de cultivares moderadamente resistentes à Brusone demanda ainda baixo investimento de fungicidas”. Outra vantagem, conforme ele, é que o enchimento e a maturação de grãos ocorrem no período seco, apresentando normalmente reduzida incidência de micotoxinas e menores problemas com germinação em pré-colheita, gerando boa qualidade industrial e promovendo maior liquidez da produção quando comparados a outras regiões produtoras de trigo. 
 
Em relação ao mercado, Junior comentou sobre a alta demanda de trigo pela indústria na região Central do país e do potencial do Cerrado em abastecer o mercado interno com a cultura. Disse que com tecnologias adaptadas e com maior potencial de produtividade, torna-se mais econômico produzir o trigo na região dado o menor custo logístico até os maiores centros de consumo, localizados no Sudeste. “Uma grande vantagem é que o trigo na região é colhido na entressafra brasileira e argentina, encontrando um mercado comprador com preços mais competitivos. Ganha o agricultor, os moinhos por ter matéria prima de qualidade e na porta de suas indústrias e o consumidor final”, destacou.
 
Como acontecem as pesquisas direcionadas ao Cerrado
 
A principal limitação ao crescimento do trigo na região tem sido a Brusone, doença causada por um fungo que ataca a espiga que resulta em queda no rendimento em função dos grãos deformados e de baixo peso específico. Nesta safra, muitas lavouras foram prejudicadas pela doença. O melhorista da Biotrigo, André Schönhofen, responsável pelo programa de melhoramento no Cerrado, comentou sobre os avanços das pesquisas direcionadas à produção de tecnologias para a região e da importância da escolha de materiais com resistência às doenças, entre elas a cultivar TBIO Aton. “A Biotrigo acredita no crescimento da cultura do trigo no Cerrado e por isso tem ampliado significativamente seus esforços e investimentos para desenvolver cultivares adaptadas à região. Nessa safra, onde muitas lavouras foram perdidas após a forte incidência de Brusone, TBIO Aton se destacou no campo e mostrou um grande diferencial de sanidade e robustez”, explicou.
 
O Cerrado é o mais novo dos quatro programas de melhoramento da Biotrigo, que envolvem testes de milhares de materiais a campo, avaliações de resistência às doenças e análises de qualidade industrial. “O trabalho envolve a avaliação das populações segregantes de forma regionalizada, facilitando a seleção em favor de maior sanidade e robustez específicas para o Cerrado, contribuindo para a estabilidade de rendimento de grãos e qualidade industrial. Também aplicamos ferramentas de biologia molecular como o acompanhamento e introgressão de genes de grande efeito na tolerância à seca e reação à Brusone, além da geração artificial de variabilidade genética em populações. Apesar de cultivares geradas no Sul do país terem mostrado ótimo desempenho agronômico e industrial, acreditamos que a seleção de plantas em gerações iniciais sob as condições do Cerrado tenderá a render ainda mais frutos nos próximos anos”, disse o melhorista.
 
Na questão de fitopatologia, diz ele, há avaliações em condição controlada e em coleções a campo do extenso germoplasma da Biotrigo e de parceiros estrangeiros em busca de maior resistência à Brusone e manchas foliares. Paralelo a isso, são realizadas extensas análises de qualidade industrial, como tamanho dos grãos, peso do hectolitro (PH), cor de farinha, número de queda, força de glúten, estabilidade da massa e panificação. As linhagens aprovadas passam a ser multiplicadas em diversos locais do Cerrado para geração de amostras aos moageiros da região, que emitem seu parecer e multiplicadores de sementes e cooperativas também participam da avaliação final da cultivar antes de ser finalmente lançada para o Cerrado.
 
Nova opção de cultivo
 
Junior explicou que o TBIO Aton, apresentado no 3º Encontro de Trigo, passou por todos os testes do programa de melhoramento. “Essa cultivar está na elite do germoplasma da empresa, combinando um tipo de planta moderno, de alto potencial produtivo, com rusticidade do sistema radicular e sanidade de planta. A resistência à Brusone na espiga é similar à de TBIO Sintonia, porém apresentou melhora significativa de resistência à mesma doença nas folhas”. A cultivar tem ciclo médio, apresenta resistência a Oídio e moderada resistência à Ferrugem da folha. Em relação a qualidade industrial, atende as exigências de qualidade da indústria de panificação, pois possui força de glúten (valor de W) média de 352 x10-4 Joules e estabilidade farinográfica média de 15,8 minutos. Além de atender a demanda dos moinhos, TBIO Aton vem se destacando desde que entrou na rede de ensaios, tendo ótimo rendimento sob irrigação, mas merecendo um grande destaque quando semeado em sequeiro. “No ano de 2018 Aton entregou uma produtividade 38% acima da testemunha mais semeada na região, mostrando um grande avanço quando comparamos seu rendimento com as cultivares mais semeadas na região. Isto ajuda o produtor a alcançar maiores margens de lucro em ambientes de especialmente de sequeiro, onde as produtividades são maiores” explica Junior.
 
A cultivar estará disponível para produtores já na próxima safra, com volume de sementes ainda reduzido no primeiro ano, mas projeção de aumento progressivo do volume multiplicado nos anos seguintes. 
 
Trigo em Uberaba
 
Essas vantagens ano após ano vem sendo absorvidas pelos produtores da região. A área e a produtividade em crescimento comprovam o interesse dos produtores pela cultura. Nos últimos 5 anos, a área de trigo aumentou mais de 400% no município. Segundos dados da Secretaria Municipal do Agronegócio de Uberaba (Sagri), atualmente 32 produtores cultivam trigo na cidade, totalizando 5,8 mil ha, sendo 4,5 mil ha de trigo no sequeiro e outros 1,3 mil ha no irrigado. 
Últimas notícias publicadas
09/08/2019 11ª Edição do Megacana se prospecta como um dos melhores eventos nacionais do setor sucroenergético
05/08/2019 Energia solar fotovoltaica atinge 1 gigawatt em geração distribuída no Brasil
31/07/2019 Produtores mineiros de café amargam prejuízos com geadas
29/07/2019 Pesquisadores apresentam resultados do Forrageiras para o Semiárido, durante Dia de Campo em Carlos Chagas
25/07/2019 McCain anuncia construção de primeira fábrica de batatas fritas no Brasil
23/07/2019 Terapia com bovinos é a moda da vez nos EUA
22/07/2019 Sistema FAEMG apresenta demandas do setor rural ao presidente da CEMIG
22/07/2019 Dois leilões agitam a 38ª Exposição Nacional do Cavalo Mangalarga Marchador, nesta semana
19/07/2019 Comissão de Fruticultura da FAEMG reuniu para abordar temas de grande importância para o setor
19/07/2019 MEDALHA DO MÉRITO RURAL FAEMG 2019
Ver todas
FAEMG
Avenida do Contorno, 1.771 - Floresta
Belo Horizonte – 30.110-005
Fone: (31) 3074-3000
Fax: (31) 3074-3030
E-mail: faemg@faemg.org.br
Senar Minas
Avenida do Contorno, 1.771 - Floresta
Belo Horizonte – 30.110-005
Fone: (31) 3074-3074
Fax: (31) 3074-3075
E-mail: senar@senarminas.org.br
INAES
Avenida do Contorno, 1.771 - Floresta
Belo Horizonte – 30.110-005
Fone: (31) 3074-3109
Fax: (31) 3074-3030
E-mail: inaes@inaes.org.br
Sindicatos
Avenida do Contorno, 1.771 - Floresta
Belo Horizonte – 30.110-005
Fone: (31) 3074-3028
Fax: (31) 3074-3030
E-mail: asind@faemg.org.br