até
sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019
FAEMG contra o fim do antidumping
Sistema FAEMG

ANTIDUMPING

FAEMG contra o fim das tarifas sobre leite
em pó da UE e Nova Zelândia

 

Na última quarta (6/2), o Governo Federal retirou as tarifas antidumping que incidiam há 18 anos sobre as importações de leite em pó da União Europeia e da Nova Zelândia. Desde 2001, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (FAEMG) mantinham constante pressão para que essas tarifas fossem renovadas a cada cinco anos. A alíquota era de 14,8% para o produto vindo da União Europeia e de 3,9% para a Nova Zelândia.

 

Para o vice-presidente de Secretaria do Sistema FAEMG e presidente da Comissão Nacional de Pecuária de Leite da CNA e da Câmara Setorial de Leite do Ministério da Agricultura, Rodrigo Alvim, a retirada das tarifas cria um risco de competição predatória à produção nacional. 

 

Entendemos que foi uma falta de sensibilidade do governo, que, no afã de empreender uma política econômica baseada no liberalismo e na abertura de mercados, não levou em consideração argumentações técnicas e econômicas que apresentamos, tanto sobre as características do produto leite, dos sistemas de produção e mesmo do papel social e econômico da pecuária de leite no Brasil, como também a avaliação de mercado internacional e de práticas econômicas adotadas, principalmente, pela União Europeia”.

 

Segundo ele, a medida é definitiva, e criará cenário favorável à entrada de grandes volumes de leite em pó, acirrando ainda mais a competição no mercado doméstico, que já sofre com a importação vinda de países do Mercosul, especialmente, da Argentina e Uruguai.

 

A CNA está avaliando ações que possam compensar a abertura deixada pela retirada da taxa antidumping. Uma alternativa, talvez, pudesse ser aumentar a TEC (Tarifa Externa Comum), aplicável a países que não compõem o Mercosul”.

 

 

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA SE POSICIONA

 

Em nota divulgada na tarde desta sexta-feira (8), o Ministério da Agricultura disse estudar, junto à equipe econômica do governo, medidas para minimizar impactos negativos do fim do antidumping para a produção nacional e reestruturar o setor como um todo, criando melhores condições de competição no mercado internacional.  Leia trecho da nota:

 

“O antidumping, que vigorava desde 2001, foi, sem dúvida, eficaz e decisivo, à época, para a rentabilidade do setor e permitiu a manutenção dos produtores rurais na atividade. (...) Contudo, este tipo de medida é temporária, e é preciso trabalhar em ações para reestruturar a cadeia produtiva do país, para tornar o setor mais competitivo”.

Últimas notícias publicadas
28/10/2020 Cerca de 70 milhões de animais devem ser vacinados contra febre aftosa em novembro
28/10/2020 Dos encontros à formação de alianças femininas no meio rural
28/10/2020 GTA - Chega ao fim os 7 dias de espera após vacinação
27/10/2020 AgroNordeste: produtores mostram satisfação com a palma forrageira
27/10/2020 Sistema FAEMG é parceiro do 3º Concurso de Cafés Especiais de Divino
27/10/2020 Estiagem: Cafeicultores afetados deverão contar com mais recursos
26/10/2020 Feira Segura em Sabinópolis: feirantes comemoram volume de vendas
26/10/2020 Curso de Fossa Séptica Biodigestora é promovido em Comercinho pela primeira vez
26/10/2020 Cachaça: depoimento mostra importância de cursos para a agroindústria de Ubá
26/10/2020 Programa ATeG é apresentado a produtores de leite em Piedade do Rio Grande
Ver todas
FAEMG
Avenida do Contorno, 1.771 - Floresta
Belo Horizonte – 30.110-005
Fone: (31) 3074-3000
E-mail: faemg@faemg.org.br
Senar Minas
Avenida do Contorno, 1.771 - Floresta
Belo Horizonte – 30.110-005
Fone: (31) 3074-3074
E-mail: senar@senarminas.org.br
INAES
Avenida do Contorno, 1.771 - Floresta
Belo Horizonte – 30.110-005
Fone: (31) 3074-3109
E-mail: inaes@inaes.org.br
Sindicatos
Avenida do Contorno, 1.771 - Floresta
Belo Horizonte – 30.110-005
Fone: (31) 3074-3028
E-mail: asind@faemg.org.br